sábado, 29 de março de 2008

Fábrica de Discos de Vinil

Incentivo fiscal pode salvar última fábrica de vinil do país

Ministério da Cultura estuda dar incentivos tributários da Lei Rouanet à empresa.
Fábrica artesanal, com três funcionários, funciona em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.
Um projeto do Ministério da Cultura pode evitar que a única fábrica de vinil do Brasil - a Poly Som, de Belford Roxo, na Baixada Fluminense - feche as portas. Enfrentando dificuldades financeiras, a empresa pode receber incentivos fiscais da Lei Rouanet para evitar que a produção do LP não desapareça de vez do país.

A empresa, que recentemente fabricou a versão em vinil do álbum "Cê", de Caetano Veloso, funciona de maneira quase artesanal há sete anos, quando foi aberta na esteira da "nostalgia" do LP. A fábrica tem três funcionários que usam equipamentos antigos, adquiridos de gravadoras que migraram definitivamente para o CD.

Altos impostos
De acordo com William de Carvalho, funcionário da fábrica, a empresa tem dificuldades em sobreviver no mercado por conta dos altos impostos de importação (78%) pagos na importação de um dos produtos essenciais na produção do LP: o acetato. Por isso, sua produção vem diminuindo ano a ano.

Para evitar que o projeto vá à falência, o Ministério da Cultura pretende dar incentivos tributários à fábrica. Caso a Poly Som seja incluída na Lei Rouanet, receberá uma redução fiscal que reduzirá em até 50% seus custos de produção.

Integridade artística
Os apreciadores do LP dizem que, além de oferecer qualidade superior de som, o disco também garante integridade artística. Isso porque, ao contrário do CD, ele comporta somente 10 ou 12 músicas. Assim, dizem os aficionados, o artista tem de realmente selecionar o repertório escolhido para cada álbum.

Fonte: www.globo.com

Nenhum comentário: